Terça, 12 Novembro 2019
previous arrow
next arrow
Slider


 Um paciente de Itatiaia, residente no distrito de Penedo, está internado há uma semana no Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, com sintomas de Febre Amarela. O quadro foi confirmado pela secretaria Estadual de Saúde. A vítima é um homem de 58 anos que não teve seu estado de saúde divulgado e recusou-se a se imunizar contra a doença. É o primeiro caso registrado naquele município. Já são 103 casos no Sul Fluminense, sendo 36 mortes.

Júlio César de Araújo

Barra do Piraí - Uma idosa de 60 anos, apenas identificada como Margarida, morreu na noite de 13 de março no Hospital Escola Luiz Gioseffi Jannuzzi, em Conservatória, na cidade de Valença.  De acordo com informações, a idosa teria sido a única pessoa a não se imunizar contra a Febre Amarela em sua família. Conforme informações, a paciente apresentou os sintomas, mas não procurou um médico. Margarida era moradora do distrito de Ipiabas, em Barra do Piraí, área tida como de risco de infecção da doença; sua recusa em se imunizar corrobora o quadro de resistência que muitos moradores ainda têm com a vacinação, apesar do alerta e da campanha realizada pela secretaria de Saúde de Barra do Piraí

Mais informações na edição 735 do Jornal O BARRENSE, que vai às bancas no dia 06 de abril

Talita Affonso

Barra do Piraí – A concessionária que administra a linha férrea que passa por Barra do Piraí estaria fazendo uso de composto herbicida, visando conter o crescimento da vegetação ao redor dos trilhos; entretanto, o produto estaria matando pássaros por envenenamento. As informações são de denunciante que prefere não se identificar, mas fez o relato à equipe de reportagem do Grupo RBP de Comunicação.

 “Este composto está matando envenenados os passarinhos que comem aquelas plantas. Isso é crime ambiental, não é? Já reclamamos e estamos ainda falando sobre esta questão”, diz o indivíduo.  Segundo ele, a prefeitura de Barra do Piraí, por meio da secretaria do Ambiente, também foi procurada para que a problemática fosse exposta.

  Entretanto, a resposta foi tida como controversa pela parte reclamante do caso. “Falamos sobre isso porque entendemos que a empresa vem praticando um crime; porém, fomos informados de que este serviço é autorizado pelo Ibama. Mas como pode o Ibama autorizar um crime ambiental?”, questiona o morador.

  O crime ambiental a que ele se refere é a chamada capina química em área urbana, em que produtos são utilizados para coibir o crescimento de vegetações próximas a calçadas, canteiros e outras vias. A prática é proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e, ainda de acordo com o órgão, não há nenhum produto registrado para ser utilizado como herbicida, nem mesmo aqueles indicados como “capina ecológica”, à base de substâncias como ureia ou extrato pirolenhoso.

  A prática lesa também o meio em que é aplicada, pois, em meio urbano, transeuntes eventualmente acabariam tendo acesso à composição química sem estar devidamente protegidos por equipamentos. Do mesmo jeito, o igualmente eventual asfaltamento do solo leva à formação de poças, quando em caso de chuva; assim, a água que se concentra nas poças estaria contaminada por estes agrotóxicos.

  Procurados pela equipe de reportagem do Jornal O BARRENSE, a concessionária que administra a linha férrea que corta Barra do Piraí e o secretário de Ambiente do município barrense, Luís Braga Grande, citado nesta reportagem, não responderam aos questionamentos, ficando aberto o espaço deste jornal para que seja feito o devido esclarecimento da problemática.

Barra do Piraí - A prefeitura de Barra do Piraí, por meio de sua secretaria de Agricultura, realizou, no dia 27 de fevereiro, a vacinação contra Brucelose em bovinos em áreas rurais da cidade. As doses foram aplicadas pela equipe da Vigilância Sanitária, em parceria com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do estado do Rio de Janeiro (Emater) e Defesa Sanitária, sob a supervisão da Agricultura.

  A Brucelose bovina é uma doença infecciosa dos animais e do homem (zoonose), de relevância mundial, causada por Brucella abortus. É uma das principais causas de abortos, acompanhada algumas vezes de infertilidade temporária ou permanente, nas fêmeas, causando grandes perdas econômicas.

  Por conta desta moléstia, há necessidade de prevenção em dose única, da vacina, em bezerras de três a oito meses de idade. Segundo o secretário de Agricultura, José Mauro Leite Lima, a campanha pretende alcançar os produtores de corte e de leite no tocante à prevenção e ao avanço da doença.

  “A nova gestão preocupa-se com o produtor rural e entende que, em nossa cidade, boa parte da economia local advém desses pecuaristas. Por isso, é muito importante a vacinação contra brucelose e também febre aftosa, tendo em vista que é um procedimento gratuito oferecido pela prefeitura”, explica.

  Para que toda a população rural tenha acesso à campanha, as etapas de vacinação serão retomadas em abril, com a Brucelose, e em maio, com a Febre Aftosa. Os produtores interessados em vacinar seu gado devem procurar a secretaria de Agricultura para fazer o cadastro.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!