Domingo, 25 Outubro 2020
previous arrow
next arrow
Slider

Quatro dos cinco maiores bancos estatais da China informaram que aumentaram suas provisões contra dívidas inadimplentes para se preparar contra perdas futuras devido ao impacto global da pandemia do novo coronavírus. A informação é da Agência Brasil

As cinco instituições relataram as maiores quedas nos lucros em pelo menos uma década e anunciaram aumento nos empréstimos inadimplentes, ao anunciar os resultados semestrais nesse domingo (30) e na semana passada.

Os resultados destacam o impacto da pandemia e da desaceleração econômica sobre os bancos chineses, que no primeiro trimestre contrariaram a tendência global, com lucros maiores e estabilidade nos empréstimos inadimplentes.

O Banco Agrícola da China disse que espera que o impacto da epidemia e o risco de incerteza sejam mais transmitidos ao setor bancário", em seus resultados semestrais.

O China Construction Bank Corp (CCB), o segundo maior credor do país em ativos, afirmou que planeja avaliar os riscos de crédito e aumentar as provisões, assim como declarou o Banco da China.

Ainda mais diretamente, o Banco de Comunicações informou na sexta-feira (28) que aumentou "as provisões para conter o impacto futuro da pandemia".

Enquanto a pandemia atinge as economias em todo o mundo, o Banco da China, o mais internacional dos grandes bancos estatais do país, disse que continuará se protegendo contra os riscos do mercado financeiro global no segundo semestre.

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 8,9 pontos na passagem de julho para agosto. Essa foi a quarta alta consecutiva, mostrando uma trajetória de recuperação consistente da confiança do empresariado industrial brasileiro depois da queda observada no início da pandemia de covid-19, em março. Com o resultado, o indicador atingiu 98,7 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, e recuperou 93,8% dos 43,2 pontos perdidos em março e abril. A informação é da Agência Brasil

“Apesar de ainda se mostrarem insatisfeitos com o nível de demanda, a opinião dos empresários sobre a situação dos negócios no momento tem se aproximado cada vez mais do período pré-pandemia. Para os próximos meses, os indicadores de expectativa mostram certo otimismo, com mais de 40% do setor prevendo aumento do ritmo de produção. Contudo, observamos que ainda há muita incerteza das empresas, evidenciada pela dificuldade de recuperação do indicador de tendência dos negócios”, explicou a economista da FGV Renata de Mello Franco.

Confiança em alta Em agosto, 18 dos 19 segmentos industriais pesquisados tiveram aumento da confiança. O Índice de Situação Atual, que mede a satisfação com o momento presente, subiu 8,7 pontos, atingindo 97,8 pontos.

Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, cresceu 9,1 pontos e passou para 99,6.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada teve aumento de 3 pontos percentuais e alcançou 75,3%. Com esse resultado, o nível encontra-se no mesmo patamar de março, e apenas 0,9 ponto percentual abaixo de fevereiro (76,2%).

Auditores Fiscais da Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro (Sefaz-RJ) apreenderam, na semana passada, três veículos com uma carga total de mais de 4.300 eletrodomésticos como televisores, fogões e cafeteiras, avaliada em mais de R$ 1 milhão. A empresa proprietária dos produtos participava de um grande esquema de sonegação fiscal. O trabalho foi realizado pela Auditoria Fiscal Especializada (AFE) 14 – Trânsito e Barreiras Fiscais. As apreensões aconteceram nos Postos de Controle Fiscal de Morro do Coco, Nhangapi e Levy Gasparian.

A fiscalização dos Auditores constatou que o contribuinte proprietário da carga realizou uma operação simulada apontando como destinatário uma filial no Espírito Santo, quando na verdade a empresa entregaria as mercadorias no Rio de Janeiro sem recolher imposto. A sonegação ocorreu na modalidade de imposto chamada de Substituição Tributária, onde uma empresa é responsável por recolher o ICMS devido em toda a cadeia produtiva. A equipe identificou também que a filial localizada no Espírito Santo faz mal uso de um benefício fiscal oferecido por aquele estado. Entre impostos e multa, a empresa terá que pagar mais de R$ 1,3 milhão.

A Receita Estadual vem intensificando os procedimentos para combater fraudes semelhantes e comunicando os outros estados lesados. “Estamos apertando o cerco nos Postos de Controle Fiscal e novas fiscalizações estão programadas. Mesmo que a empresa consiga ‘furar’ a Barreira Fiscal, ela será pega pela malha fiscal e autuada posteriormente” explicou o Superintendente de Fiscalização da Sefaz-RJ, Rodrigo Aguieiras.

Pagamentos para esse grupo são feitos da mesma forma que o Bolsa Família. Veja o calendário completo (Foto: Reprodução)

A Caixa Econômica Federal (CEF) paga nesta segunda-feira (24) a quinta parcela do Auxílio Emergencial para 1,9 milhão de beneficiários do programa que também fazem parte do Bolsa Família, cujo NIS termina em 5. Os pagamentos para esse grupo são feitos da mesma forma que o Bolsa.

Para os demais beneficiários do Auxílio Emergencial, o pagamento está sendo feito em lotes. Desde 22 de julho, a quarta parcela vem sendo paga aos aprovados no primeiro lote (que receberam a primeira parcela em abril). O quinto lote começa a ser pago em 28 de agosto para esses primeiros aprovados.

Para os aprovados nos demais lotes, os pagamentos seguem até 13 de novembro. Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!