Domingo, 12 Julho 2020
previous arrow
next arrow
Slider

A presidente da Bolívia, Jeanine Añez, anunciou nessa quinta-feira (9) que teve resultado positivo em teste para o novo coronavírus. Ela afirmou no Twitter que está "bem" e continua a trabalhar em isolamento. "Juntos, vamos sair disso", acrescentou. A informação é da Agência Brasil.

O governo da Bolívia confirmou que pelo menos sete ministros, incluindo o da Saúde, tiveram teste positivo e estão sendo tratados ou se recuperando em casa.

Jeanine Añez disse que fez o exame, já que muitos de sua equipe haviam adoecido. "Eu me sinto bem, me sinto forte, vou continuar trabalhando remotamente do meu isolamento, e quero agradecer a todos os bolivianos que estão trabalhando para nos ajudar nessa crise de saúde", afirmou.

A Bolívia deve realizar eleições gerais no dia 6 de setembro. As eleições estavam planejadas originalmente para o mês de maio, mas foram adiadas por causa da pandemia.

Turbulências políticas ocorreram no país em outubro do ano passado, quando uma eleição disputada levou a protestos generalizados e à queda do líder de esquerda Evo Morales.

Ex-senadora conservadora, Jeanine Añez assumiu a Presidência interinamente em substituição a Morales. Ela disse inicialmente que concorreria ao cargo, mas desistiu.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou nessa quinta-feira (9) novas diretrizes sobre a transmissão do novo coronavírus, que reconhecem alguns relatos de transmissão pelo ar do vírus causador da covid-19. A instituição, no entanto, não chegou a confirmar que o vírus se propaga pelo ar. A informação é da Agência Brasil.

Em suas diretrizes mais recentes sobre transmissão da doença, a OMS reconheceu que alguns relatos sobre casos relacionados a espaços fechados lotados sugeriram a possibilidade de transmissão por aerossol, como restaurantes ou aulas de ginástica. Mas a organização observou que mais pesquisas são "urgentemente necessárias para investigar esses casos e avaliar seu significado para a transmissão da covid-19".

Com base na revisão das atuais evidências, a OMS afirmou que o novo coronavírus, causador da covid-19, se espalha entre as pessoas por contato direto ou indireto com superfícies contaminadas ou o contato próximo com pessoas infectadas que espalham o vírus pela saliva, secreções respiratórias ou gotículas liberadas quando uma pessoa infectada tosse, espirra, fala ou canta.

O documento foi divulgado após carta aberta de cientistas especializados na propagação de doenças pelo ar - os chamados aerobiologistas - que solicitaram ao organismo global atualizar suas orientações sobre como a doença respiratória se propaga, para incluir a transmissão por aerossol.

"Este é um movimento na direção certa, embora pequeno. Está ficando claro que a pandemia é causada por eventos de grande propagação e que a melhor explicação para muitos desses eventos é a transmissão por aerossol", disse Jose Jimenez, um químico da Universidade do Colorado que assinou a carta, publicada segunda-feira (6) na revista Clinical Infectious Diseases.

A frequência com que o coronavírus se espalha pela via aérea ou pelo aerossol - ao contrário de gotículas maiores em tosses e espirros - não é clara.

Em entrevista coletiva, Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (EUA), disse que ainda não existem muitas evidências sólidas sobre a transmissão aérea do novo coronavírus. "Eu acho é uma suposição razoável que isso ocorra".

Embora incompletas, as evidências até o momento são "a base fundamental do motivo pelo qual agora estamos tão empenhados em fazer com que as pessoas - particularmente as sem sintomas - usem máscaras. Para poder ver se podemos mitigar isso", disse ele.

As orientações da OMS reconhecem que a transmissão pelo ar do novo coronavírus pode ocorrer durante procedimentos médicos específicos que produzem aerossóis, como durante a intubação.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que garante a prioridade na realização de testes da covid-19 para profissionais essenciais ao controle de doenças e à manutenção da ordem pública, que estiverem em contato direto com portadores ou possíveis portadores do novo coronavírus. De acordo com a Lei nº 14.023/2020, publicada hoje (9) no Diário Oficial da União, esses trabalhadores deverão ser tempestivamente tratados e orientados sobre sua condição de saúde e o retorno ao trabalho. A informação é da Agência Brasil.

Durante a pandemia, o poder público e os empregadores ou contratantes desses profissionais fornecerão, gratuitamente, os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados pela Anvisa, de acordo com os protocolos indicados para cada situação. A lei abrange profissionais que trabalham ou sejam convocados a trabalhar nas unidades de saúde durante o período de isolamento social ou que tenham contato com pessoas ou com materiais que ofereçam risco de contaminação pelo novo coronavírus.

De acordo com o texto, são considerados profissionais essenciais aqueles que atuam nos sistemas de saúde, segurança e assistência social e outros, como cuidadores idosos, pessoas com deficiência ou com doenças raras; biólogos, biomédicos e técnicos em análises clínicas; coveiros e demais trabalhadores de serviços funerários e de autópsias; profissionais de limpeza e que atuem na cadeia de produção de alimentos e bebidas; aeroviários e controladores de voo.

Ontem (8), o Ministério da Saúde divulgou boletim epidemiológico , no qual aponta que, até o dia 4 de julho, foram confirmados 173.440 casos de covid-19 em profissionais da saúde de todo o país. As profissões com maior registro de casos foram os técnicos ou auxiliares de enfermagem (59.635), seguido dos enfermeiros (25.718), médicos (19.037), Agentes Comunitários de Saúde (8.030) e recepcionistas de unidades de saúde (7.642).

Em relação aos casos graves da doença, que necessitaram de internação hospitalar, foram confirmados 697 casos. Os técnicos ou auxiliares de enfermagem foram os mais afetados, com 248 casos, seguido dos médicos (150) e enfermeiros (130). Além disso, 138 mortes pelo novo coronavírus foram registradas entre os profissionais de saúde.

A Argentina anunciou um recorde diário de 3.604 casos confirmados de covid-19, enquanto lida com infecções crescentes que ameaçam seu sucesso inicial em impedir a propagação do novo coronavírus. A informação é da Agência Brasil.

O aumento acentuado, a primeira vez que os casos diários superaram a marca de 3 mil, elevou o número total para 87.030, cinco vezes o número do início de junho, embora ainda bem abaixo das cifras nos vizinhos mais afetados como o Brasil, Chile e Peru.

O governo de centro-esquerda da Argentina impôs um lockdown rigoroso em meados de março, que foi afrouxado na maior parte do país, mas ampliado e reforçado no fim do mês passado na capital Buenos Aires e seus arredores devido a um aumento nos casos.

O número de mortos na Argentina devido à pandemia é de 1.694.

O impacto do novo coronavírus atingiu a economia do país sul-americano, em recessão há dois anos e lutando para resolver uma dolorosa crise da dívida. Os economistas preveem uma contração econômica de 12% para 2020.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!