Quarta, 24 Abril 2019
previous arrow
next arrow
Slider

Um incêndio atingiu nesta segunda-feira a Catedral de Notre Dame , no centro de Paris , o monumento histórico mais visitado da Europa. Imagens nas redes sociais mostram fumaça saindo do topo da igreja medieval, enquanto cinzas cobriam uma ampla área. Uma grande operação está em curso. Minutos depois do início do incêndio, a torre e o teto da igreja colapsaram completamente. Segundo o Ministério do Interior, 400 bombeiros combatiam o incêndio e não há feridos.

De acordo com o porta-voz de Notre Dame, o fogo começou às 18h50 do horário local (13h50 de Brasília), praticamente na mesma hora em que acaba o horário de visitação (18h45). A polícia isolou a área e começou a retirar os muitos turistas que estavam dentro da catedral, diz a agência Efe.

Segundo o corpo de bombeiros, o incêndio provavelmente está ligado a reformas do edifício que estão em curso. A procuradoria francesa já abriu uma investigação para determinar o que iniciou o fogo.

Segundo Emmanuel Grégoire, vice-prefeito de Paris, uma missão especial foi iniciada para tentar salvar as obras de arte no local. A previsão é que o interior de madeira da igreja seja completamente destruído, enquanto há esperança de que objetos sacros dentro da sacristia ainda possam ser preservados. 

Foto: FRANCOIS GUILLOT / AFP

A fotografia não serve somente para retratar momentos e realidades, ela também é um instrumento capaz de transformar pessoas e fazê-las enxergar com outros olhos o espaço onde vivem. Ela é arte e educação ao mesmo tempo. Buscando ampliar a percepção de estudantes de escolas públicas em cidades do estado de SP e RJ, o Ministério da Cidadania e o Instituto CCR apresentam o projeto FotoArte, da ONG ImageMagica, por meio da Lei Rouanet e com apoio da CCR NovaDutra, que trabalha com crianças e jovens um olhar mais sensível e empático em relação ao mundo. As informações são da equipe de assessoria de imprensa do projeto, que vem sendo desenvolvido desde o início deste mês.

Educadores da organização ensinarão técnicas de fotografia para os participantes com a proposta de elas serem aplicadas de forma crítica e reflexiva. Parte da aula acontecerá dentro do caminhão da fotografia, onde os alunos vivenciarão o funcionamento do interior de uma câmera fotográfica. Depois de aprenderem sobre a formação da imagem, eles serão os fotógrafos, retratando um “caminho para o futuro”, junto com uma legenda, o que compõe uma exposição na escola ao final do projeto.

Ainda que as oficinas ensinem técnicas fotográficas, elas têm como principal objetivo mudar a forma com que as pessoas se relacionam com essa ferramenta, percebendo o poder que ela tem de transmitir mensagens poderosas ao mundo e mudar realidades.

“O impacto do projeto nas escolas é incrível! No momento da exposição, os alunos percebem o quanto é importante a mensagem que eles passaram por suas fotografias, a importância do que eles pensam e o tamanho do valor da opinião deles dentro da escola”, conta Andreza Portela, coordenadora do núcleo educacional da ImageMagica.

Uma imersão imagética

O mergulho no universo das imagens acontecerá do início ao fim das oficinas. Os estudantes terão contato com a história da fotografia e dicas de como usar a ferramenta no dia a dia. Depois, entrarão na câmara escura, ambiente instalado no caminhão que simula o interior de uma máquina fotográfica gigante. Ali, eles conseguem ver, ao vivo, a imagem de fora do caminhão sendo projetada exatamente como acontece dentro das câmeras fotográficas e até mesmo nos nossos olhos.

Botando a mão na massa

Com todo esse novo conhecimento em mãos e um celular, cada participante vai fotografar o que representa o futuro para si, utilizando o aplicativo Camino, desenvolvido pela ImageMagica. Eles também produzirão uma legenda sobre o tema. As imagens são impressas e entregues aos novos fotógrafos.

Aprendizado para os professores

Não são só os alunos que aprenderão com as oficinas do FotoArte. Também haverá uma ação com os professores das escolas. Eles serão capacitados em oficinas com conteúdo exclusivo, incentivando o uso da fotografia como ferramenta de ensino dentro da sala de aula para suas próprias disciplinas.

Hora de levar as ideias ao mundo!

Ao final das oficinas, serão construídas nas escolas exposições com o material produzido pelos alunos.  Ela é construída em formato de lambe-lambe ou varal com todas as imagens criadas e estará aberta para a visitação de toda a comunidade, aumentando o impacto das fotografias e das mensagens criadas.

Serviço:

Escola: EPG Profª Ione Gonçalves de Oliveira de Conti

Datas: 1 e 2 de abril de 2019

Endereço: Estrada do Sacramento, 751, Pimentas, Guarulhos/SP

Escolas: E.M. Professora Alice Vilela Galvão e E.M. Professor João Nery Marton

Datas: 4 e 5 de abril de 2019

Endereço: Pátio Municipal, Av. 22 de março, 369, Centro, Canas/SP

Escolas: E.M. Aurora de Andrade Cardoso e E.M.E.I.E.F. Dom Edmundo Benedict Nugent

Datas: 8 e 9 de abril de 2019

Endereço: Rua João Perfeito de Siqueira, 20, Bairro dos Macacos, Silveiras/SP / Av. Governador Carvalho Pinto, 448, Centro, Silveiras/SP

Escola: E.M. Lúcio Mendonça

Datas: 11 e 12 de abril de 2019

Endereço: Rua Roberto Silveira, 25, Centro, Piraí/RJ

Escola: E.M. Rosa Conceição Guedes

Datas: 2 e 3 de maio de 2019

Endereço: Rua Chicó Mendes, 116, Parque Maíra, Pinheiral/RJ

Escola: CIEP M. Maestro Francisco Mignone

Datas: 6 e 7 de maio de 2019

Endereço: Rua Kaisser Abraão, s/nº Monte Serrat, Itaguaí/RJ

A Secretaria de Estado de Turismo estuda retomar o turismo em comunidades. Representantes da ConTur (Conexão de Empreendedores de Turismo em Favelas), que abrange mais de 20 comunidades da capital, se reuniram com o secretário de Turismo, Otavio Leite, para discutir formas de fortalecer este segmento no Rio de Janeiro. Visitas técnicas serão realizadas durante este mês, com o objetivo de organizar a capacidade do turismo comunitário. As informações foram divulgadas pela equipe de Comunicação do Governo do Estado do Rio de Janeiro.

"O Rio de Janeiro precisa resgatar um potencial que é o turismo em favelas. Vamos começar com uma visita técnica no Chapéu-Mangueira, Babilônia e Santa Marta para reorganizar todo esta potencialidade. Desde 2012, a favela é patrimônio universal da Unesco por uma razão muito simples: a geografia e a ligação entre mar e montanha. E nossas comunidades têm uma vocação turística que precisa ser desenvolvida, pois gera emprego e renda para a cidade", disse Otavio Leite.

A ideia da secretaria é fazer um projeto-piloto nestas três comunidades. Serão estudados modelos padrões como, por exemplo, os quiosques de informações turísticas. No Morro Santa Marta, localizado em Botafogo, o antigo ponto para turistas, na praça que dá acesso à favela, é o primeiro atrativo avistado por quem deseja visitar o local.

"Em média, nos fins de semana, recebemos cerca de 50 turistas nas comunidades Chapéu-Mangueira e Babilônia, entre nacionais e estrangeiros. As pessoas buscam conhecimento sobre a parte histórica e a culinária, além do visual da cidade, que é incrível. O turismo em comunidade tem um potencial muito grande e fomos buscar apoio do governo para que tenhamos mais infraestrutura em nossos tours", afirmou Dinei Medina, que atua no setor desde 2008 no Chapéu-Mangueira e Babilônia.

Geração de emprego e renda

Gilson “Fumaça” é guia de turismo no Santa Marta há 9 anos e faz parte do ConTur. Segundo ele, atualmente, 12 moradores trabalham como guias, credenciados pelo Cadastur, na favela Botafogo. "Foi o próprio Governo do Estado que abriu as portas para o turismo nas favelas, com projetos que formaram a mão-de-obra especializada para atuar nas comunidades. A partir daí, o trade de turismo nos conheceu e, com isso, nos organizamos para profissionalizarmos ainda mais. É importante dar continuidade a esse apoio, porque ainda existe uma potencialidade muito grande. Os turistas querem saber como é viver na favela e o seu cotidiano. Sempre que possível agregamos algo mais, como uma roda de samba e feijoada. É importante quebrar esse paradigma de que só há o lado ruim da favela", comentou Gilson.

Estudantes de Barra do Piraí e região terão uma boa oportunidade para se prepararem melhor para o Exame Nacional do Ensino Médio. O Firjan SESI disponibilizará gratuitamente cursos pré-ENEM em escolas de Barra do Piraí, Barra Mansa, Resende e Volta Redonda.

O curso terá carga horária de 336 horas e será dividido nas áreas de Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Projeto de Vida, em que um pedagogo dará suporte aos alunos em relação às normas e orientações da prova.

Para ser inscrever, os interessados precisam estar matriculados em qualquer escola da rede pública, no 2º ou 3º ano do Ensino Médio, e terem idade mínima de 15 anos. As inscrições vão até o dia 12 de abril e podem ser realizadas em uma das escolas Firjan SESI, de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h. Em Barra do Piraí, o endereço é Avenida Major Mário Salgueiro, 1065, no bairro Belvedere.

Os documentos necessários para matrícula são originais e cópias do RG e CPF do candidato e do responsável (em caso de menores de idade), comprovante de escolaridade, comprovante de residência, autodeclaração de baixa renda feita de próprio punho (pelo candidato ou pelo responsável, se menor) e duas fotos 3x4.

Menores de 18 anos devem estar acompanhados pelo responsável no momento da matrícula. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 0800 0231 231 ou através do site do Firjan (www.firjan.com.br/sesi).

Confira o endereço de todas as instituições:

Barra Mansa - Avenida Argemiro de Paula Coutinho, n° 2.000, Centro.

Barra do Piraí - Avenida Major Mário Salgueiro, 1065, no bairro Belvedere.

Resende – Avenida Marcílio Dias, n° 468, bairro Jardim Jalisco.

Volta Redonda - Avenida Lucas Evangelista, nº 595, no bairro Aterrado.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!