Quarta, 24 Abril 2019
previous arrow
next arrow
Slider

Cientistas buscam entender um curioso dado relativo à natalidade do brasileiro: pesquisas junto ao Sistema de Informações dos Nascidos Vivos (Sinasc) e ao Registro Civil do IBGE indicam uma sazonalidade de nascimentos entre os meses de março e maio, o que tende a ser menor entre meses como novembro e dezembro. A questão vem sendo observada desde a década de 1990: de 1997 a 2017, houve 17% a mais de nascimento em março do que em dezembro, de acordo com estatísticas obtidas pela BBC Brasil. 

O dado surpreende e intriga os cientistas. "Eu fiquei extremamente surpresa: 'uau, eles (brasileiros) têm uma sazonalidade de nascimentos muito forte", cita à BBC Brasil, com perplexidade, Micaela Elvira Martinez, professora da Escola de Saúde Pública da Universidade de Columbia. Relacionando com outros países pelo mundo, o fenômeno até se repete, mas o que intriga no caso do Brasil é o fato de o país ser um dos casos com maior sazonalidade de nascimentos conhecida.

"Na maioria dos Estados americanos, nós vemos uma diferença de 6% a 8% entre o mês de pico (com maior número de nascimentos) e o mês de vale (com menor número), comparado com os cerca de 20% que vocês têm", exemplifica Martinez. Fatores como o comportamento sexual ou a abstinência no período da quaresma, bem como a fertilidade humana relacionada às condições climáticas, podem sinalizar caminhos que ajudem a entender o fenômeno.

 

O Brasil ativou em todo o ano passado 27,5 milhões de novos chips 4G, alcançando um total de 130 milhões de celulares de quarta geração em operação no País. Isso significa que a cada segundo um novo celular 4G foi ativado no País em 2018. De janeiro a dezembro, segundo balanço da Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), 606 novos municípios receberam as redes 4G, somando 4.429 municípios conectados, onde moram 95,4% da população brasileira.

A cobertura de quarta geração também apresentou evolução significativa em 2018, com crescimento de 27% frente a 2017. Essa cobertura é quatro vezes superior à última obrigação estabelecida nos leilões das licenças de serviços móveis, de 1.079 municípios.

A cobertura de 3G também se ampliou, alcançando 5.385 municípios, onde moram 99,5% da população brasileira. Em 2018, 254 novos municípios receberam as redes de 3G, ultrapassando em muito a obrigação atual de cobertura, que é de 3.917 municípios.

No total, o Brasil já conta com 204 milhões de acessos à internet pela rede móvel. Considerados os acessos fixos e móveis, o Brasil fechou 2018 com um total de 235,4 milhões de acessos no País. Destes, 31 milhões são em banda larga fixa, segmento que cresceu 7,6% em 12 meses, com 2,2 milhões de novos acessos.

Essa disponibilidade, de quase 100%, mostra que os serviços de celular e internet móvel no Brasil são para todos. Além disso, os preços do Brasil estão entre os mais baratos do mundo, em quarto lugar na internet móvel pré-paga, segundo levantamento da Consultoria Teleco, atrás apenas da Indonésia, China e Índia. Esses preços poderiam ser ainda menores se o País não tivesse a maior carga tributária do mundo, conforme atestou a União Internacional de Telecomunicações (UIT).

No estudo Desafios da Nação 2, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) lembra que esse avanço da internet móvel se deu no Brasil “sem aportes de recursos públicos e nem transferência de recursos de setores da economia”. O documento diz ainda que nas telecomunicações, “a prioridade absoluta” é reduzir as cargas regulatória e tributária.

“Essa atividade gera riqueza suficiente para autofinanciar sua universalização, com a qualidade desejada pelos consumidores, com sobra de valor adicionado para dotar de recursos orçamentários a União, os estados e os municípios, desde que o volume apropriado com tributos, somado àquele despendido no cumprimento de obrigações questionáveis, seja reduzido do patamar atual”, relata o texto da pesquisa.

As telecomunicações e as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), especialmente o acesso à internet, melhoram a produtividade e a competitividade e são essenciais para o desenvolvimento sustentável do País. Para isso, precisam ser consideradas como prioridade nacional.

Nesta quinta-feira, 14, encerra-se o prazo para que os candidatos pré-selecionados no programa Universidade para Todos (ProUni) comprovem as informações divulgadas no ato da inscrição nas respectivas instituições de ensino e entreguem a documentação necessária. O estudante precisa verificar o local de comparecimento e os horários para aferição dos dados; a lista de documentação está disponível na internet, em: siteprouni.mec.gov.br.
Hoje também termina o prazo para que o estudante se inscreva no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para tentar uma vaga no programa. Serão ofertadas 100 mil vagas na modalidade juro zero e 450 mil na modalidade P-Fies (financiamento ainda mais barato, com concessão ofertada por instituições financeiras com recursos públicos). As inscrições são feitas pelo site fies.mec.gov.br, e o resultado será divulgado no dia 25 de fevereiro.

Nessa semana, o Sistema Nacional de Empregos (Sine) de Barra do Piraí está oferecendo oportunidades de empregos em diversas áreas. Para se candidatar, basta se apresentar em sua sede, na Rua Senador Raul Fernandes, nº 54, Centro – ao lado da prefeitura, entre 8h30 e 16h30, com carteira de identidade, CPF, carteira de trabalho e comprovante de residência.

Há oportunidades para padeiro, ajudante de padeiro, vendedor externo, recepcionista, fisioterapeuta, cozinheiro, auxiliar de saúde bucal, técnico de saúde bucal e promotor de vendas. Para mais informações, o telefone do Sine é (24) 2443-1254.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!