Sábado, 04 Dezembro 2021

A Secretaria de Fazenda de Barra do Piraí prorrogou o vencimento da Cota Única do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), bem como o vencimento da primeira e segunda parcelas para o dia 07 de maio. A informação foi dada por Decreto Municipal n°152 de 19 de março de 2021.

Além do IPTU, fica prorrogado o vencimento da Taxa de Coleta de Lixo, da Contribuição de Iluminação Pública e TAE/2021, ISSQN de profissionais autônomos, taxas de ocupação de áreas em vias e logradouros públicos e publicidade para pagamento nas condições previstas, até 07 de maio de 2021.

Encaminhamos ao secretário de Saúde reclamações e sugestões de ouvintes da Rádio Barra do Piraí com o objetivo de melhorar essa logística. Wagner Teixeira explica estratégia adotada

Na madrugada desta segunda-feira (15) uma longa fila em torno do Posto Albert Sabin, no bairro Nossa Senhora Santana, em Barra do Piraí, foi registrada, em sua maioria, de idosos de 82 anos ou mais, todos com o desejo de serem imunizados contra a Covid-19.

Desde a última tentativa frustrada de liberar 200 senhas de vacinação em um sábado, que causou uma aglomeração gigantesca na unidade, a secretaria de Saúde de Barra do Piraí decidiu seguir com a imunização centralizada no posto, porém, com 50 senhas diárias apenas, com o objetivo de evitar acúmulo de pessoas. Porém, infelizmente esse objetivo não vem sendo atingido com o registro diário de filas enormes de idosos e pessoas de risco em geral com a expectativa de serem vacinadas. Segundo testemunhas, algumas pessoas passaram a madrugada em frente ao posto, que só abre para a vacinação às 8 horas, para garantir sua dose.

Exclusivamente para nossa reportagem, o secretário de Saúde, Wagner Teixeira, revelou que a partir da próxima semana voltará a realizar vacinação em todos os distritos, com o objetivo de chegar a idade de 80 anos nessas localidades. Porém, fizemos questão de repassar as principais reclamações e sugestões, seja de ouvintes da Rádio Barra do Piraí, ou expostas nas redes sociais, com o objetivo de auxiliar a melhorar essa estratégia, que claramente vem demonstrando falhas.

Hoje, Barra do Piraí está atrás de outras cidades da Região Sul Fluminense em relação à faixa etária vacinada e ainda sofre com limitações. Vale ressaltar que, além dos problemas citados, Barra do Piraí (e qualquer cidade brasileira) passa pelo problema da escassez de doses, com a demora por parte do Governo Federal para a aquisição com os laboratórios dos imunizantes liberados, seja de forma emergencial (Coronavac e AstraZeneca/Oxford) quanto permanente (Pfizer).

As principais sugestões de ouvintes para melhorar esse atendimento são a ampliação de postos de saúde para vacinação, realização de um Drive Thru de vacinação em um local amplo para veículos ou mesmo a intensificação da imunização em domicílio, já que foi disponibilizado um número de cadastro de idosos barrenses.

Em relação a essas solicitações, Wagner disse que hoje a secretaria de Saúde já faz vacinação em domicílio, porém, ainda em um ritmo lento e somente para idosos acamados. Sobre a vacinação em outros postos, por uma questão de segurança, falta de vacinas, sem a possibilidade de ter efetivo policial para todas as unidades e também para facilitar a fiscalização sobre desvio das doses, sua equipe decidiu centralizar a vacinação no Posto Albert Sabin, mesmo entendendo que o ideal seria realizar em todos as unidades básicas de saúde.

Por fim, Wagner reconhece os problemas, fala em “tentativa e erro” para encontrar a melhor logística de vacinação, afirma que vai vacinar todos os idosos de Barra do Piraí com a chegada de novas doses e pede paciência para população. “Sabemos que o momento é difícil, então caso você, idoso, perceba que já têm 50 pessoas na fila, retorne no outro dia. Estamos fazendo um esforço para vacinar a todos e evitar aglomerações ao mesmo tempo. O prefeito está disposto a negociar com os laboratórios farmacêuticos e comprar doses para Barra do Piraí, assim que for permitido esse movimento, e em breve vacinaremos a todos. Sei que é difícil a espera, mas faço o apelo pela paciência nesse momento”, declarou Wagner para nossa reportagem.

Cronograma de vacinação para os próximos dias

Segunda e terça (15 e 16): 82 anos ou mais, com 50 senhas diárias e obrigatoriedade de apresentação de documento de identidade e comprovante de residência.

Quarta e quinta (17 e 18): 81 anos ou mais, com 50 senhas diárias e obrigatoriedade de apresentação de documento de identidade e comprovante de residência.

Sexta e segunda da próxima semana (19 e 22): 80 anos ou mais, com 50 senhas diárias e obrigatoriedade de apresentação de documento de identidade e comprovante de residência.

Saúde decide estender vacinação diária

Nesta terça-feira (16), após mais uma madrugada de fila e aglomeração em frente ao Posto Albert Sabin, em Barra do Piraí, o secretário de Saúde, Wagner Teixeira, decidiu estender a vacinação diária, sem limite de senhas, desde que o postulante esteja dentro da idade estabelecida do dia e porte documentos de identificação e comprovante de residência.

“Infelizmente, nossa estratégia não deu certo. A intenção era colocar apenas 50 senhas por dia para evitar aglomeração, porém, o resultado foi completamente o oposto. Com isso, o posto ficará aberto de 8 às 15h para vacinação sem um limite de senhas, para evitar esse transtorno. Porém, ainda assim peço para que as pessoas evitem aglomerações e venham apenas se fazem parte da idade estipulada no dia. Lembro que todos serão vacinados com a chegada de mais doses do imunizante”, explicou Wagner.

O barrense Marcus Vinícius Nora de Souza está entre os cientistas mais reconhecidos e influentes do mundo. Pesquisador da Fiocruz-RJ, ele é líder de um laboratório que conduz estudos sobre doenças e processos sintéticos não poluentes ao ambiente (Fotos: Arquivo)

A reportagem do Grupo RBP de Comunicação apresenta uma entrevista realizada com o cientista Marcus Vinícius Nora de Souza, barrense de nascimento e coração, que foi reconhecido recentemente como um dos profissionais em sua área mais influentes do mundo.

No dia 16 de outubro, o Journal Plos Biology publicou um estudo conduzido pela Universidade de Stanford, dos Estados Unidos, que listou os 100 mil cientistas mais influentes do mundo a partir de um banco de dados utilizados até 2019. Marcus Nora é um dos 31 cientistas da Fiocruz que estão entre os 600 brasileiros a integrar o ranking.

A pesquisa avaliou diversas áreas do conhecimento e considerou diferentes métricas de produtividade em pesquisa, citações e afins. A lista também inclui cientistas que não estão entre estes 100 mil, mas que figuram entre os 2% melhores em suas áreas de atuação. No total, sete milhões de carreiras foram avaliadas.

O pesquisador barrense desenvolve pesquisas na área de Química Medicinal. Atualmente, é o líder do Laboratório de Síntese de Substâncias de Combate a Doenças Tropicais (SSCDT), onde chefia uma equipe que conduz estudos sobre Tuberculose, Malária, Leishmaniose, Doença de Chagas, além de elaborar processos sintéticos baseados em química verde, isto é, que não poluem o meio ambiente.

O estudo trabalha com dois rankings distintos: um que analisa o impacto do pesquisador ao longo de sua carreira e outro que avalia os impactos da atuação em 2019. Marcus Nora foi incluído nas duas listas.

A partir de agora, leia de forma exclusiva a entrevista do Grupo RBP de Comunicação com o pesquisador, com detalhes desde seu nascimento em Barra do Piraí até seu trabalho premiado como cientista renomado internacionalmente.

Nascimento, família em Barra do Piraí e início da vida profissional

“Eu nasci e cresci na querida Barra do Piraí no bairro Monte Castelo, atrás da Santa Casa. Meus avós Alvanir Nora e Luiza Nunes Nora por parte de mãe (Marlene Nora de Souza) moravam em um sítio no interior da Boca do Mato. Meus avós paternos Adão Moreira de Souza, português que imigrou com 18 anos para o Brasil, e Adalgiza Cordeiro de Souza (Álvaro Cordeiro de Souza) residiam também no mesmo bairro onde cresci. Fui abençoado por Deus com uma família maravilhosa, meu tio Ademir Cordeiro de Souza, que foi como um segundo pai para mim, por também trabalhar no CEMIBA (Centro Educacional Mireta Baronto), conseguiu uma bolsa de estudos integral para mim. Além disso, graças aos seus contatos e de meu pai, ambos bancários, me motivaram a fazer uma entrevista para trabalhar no Banco do Brasil (BB) como menor aprendiz, onde aos quatorze anos consegui a vaga. Após completar a maioridade, tive que deixar o BB e, seguindo a orientação de meu pai e tio, concorri a uma vaga no Unibanco onde fiquei até os 21 anos”.

O começo de um sonho

“Devido a uma das muitas crises que o Brasil passou na década de 1980 fui demitido e, com o dinheiro que tinha guardado, decidi que iria fazer o que sempre sonhei e que me parecia tão distante: a graduação em Química. Essa paixão surgiu devido a um professor de Química que tive no CEMIBA, o professor Antero. Suas aulas me impactaram de tal maneira que eu nunca o esqueci, e foi graças a ele que me apaixonei pela química orgânica. Assim sendo, fiz licenciatura e bacharelado em Química na Universidade Federal de Juiz de Fora na cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, seguido de um mestrado na Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte. Após o mestrado, fiz uma seleção nacional onde consegui uma bolsa para fazer o doutorado integral em química orgânica na França, em Paris. Confesso que nem em meus sonhos jamais nem sequer imaginei que um dia isso aconteceria. Nos meus quase quatro anos na França, tive a oportunidade também de fazer um estágio de quatro meses na Universidade de Barcelona, Espanha. Após a conclusão do doutorado, consegui um estágio de pós-doutorado nos Estados Unidos, na Florida State University, no estado da Flórida onde permaneci por um ano, seguido por mais outro pós-doutorado de dois anos, desta vez no Brasil na Universidade Federal de Juiz de Fora”.

Trabalho destacado na Fiocruz

“Em 2002, fui aprovado em um concurso para fazer pesquisa na renomada Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, onde permaneço trabalhando desde então. Desde 2004, lidero um grupo de pesquisa com foco no desenvolvimento de novos medicamentos, especialmente no tratamento da tuberculose, câncer e doenças negligenciadas como doença de Chagas, Malária e Leishmaniose. Essas doenças são comumente conhecidas como negligenciadas, já que acometem países pobres e em desenvolvimento, havendo pouco investimento por parte das grandes multinacionais farmacêuticas. Representando Fundação Oswaldo Cruz, tive também a oportunidade de trabalhar como pesquisador  na indústria farmacêutica multinacional “Genzyme” em Boston – USA e posteriormente atuar como professor visitante no NIH (National Institutes of Health), em Washington – USA.  

A consagração: um barrense entre os cientistas mais influentes do mundo

“No final do ano passado, tive uma grata surpresa, já que a Universidade de Stanford (EUA) publicou um estudo na renomada revista científica Plos Biology (Fonte: https://doi.org/10.1371/journal.pbio.3000918) em que foram avaliados seis milhões e oitocentos mil cientistas de diferentes áreas e países, dentre esses, selecionados os 100 mil mais reconhecidos e influentes no cenário científico. Desses 100 mil pesquisadores, somente 600 eram brasileiros e meu nome estava entre eles. Apesar das condições que temos quando comparadas aos Estados Unidos, China, Índia e Europa, essa pesquisa mostra que a ciência brasileira, apesar de todas as suas dificuldades, tem contribuído de maneira importante para o desenvolvimento científico e tecnológico mundial”.

A seguir, algumas fontes de informação sobre o trabalho do barrense Marcus Nora, um dos principais cientistas do mundo. O Grupo RBP de Comunicação agradece ao entrevistado pelo gosto com que fala sobre sua profissão e o carinho com nossa reportagem, além do respeito e afeto por suas raízes.

04marcusnora01

FAPEMA: https://www.fapema.br/pesquisadores-apostam-em-farmacos-baseados-em-produtos-naturais-contra-a-tuberculose/

FIOCRUZ: https://www.far.fiocruz.br/2020/11/o-pesquisador-de-farmanguinhos-esta-entre-os-principais-cientistas-do-mundo/ e https://www.far.fiocruz.br/2020/11/o-pesquisador-de-farmanguinhos-esta-entre-os-principais-cientistas-do-mundo/

Grupo RBP de Comunicação ouve versão da prefeitura e da empresa prestadora do serviço sobre os constantes atrasos e prognóstico para 2021 (Foto: Reprodução)

Feliz ano velho. 2021 começou com uma reclamação antiga da população de Barra do Piraí: o atraso na coleta de lixo na grande maioria dos bairros da cidade. A empresa Eko Ambiental é a responsável pelo serviço desde 2019, quando ofereceu o menor valor na licitação realizada pela prefeitura municipal.

São quase dois anos de contrato com a qualidade de serviço, principalmente no último ano, muito abaixo das expectativas para a população. Através de nossa reportagem, são vários os relatos de atrasos na coleta e caminhões quebrados que não são repostos corretamente, isso por longos meses, com gravidade maior para o último semestre de 2020.

Em uma participação no programa Fatos RBP da Rádio Barra do Piraí, o prefeito Mario Esteves reconheceu a baixa qualidade do serviço e prometeu atitudes severas para mudar este cenário. Segundo o prefeito, dentro da legislação, a prefeitura tentará romper o contrato com a empresa Eko Ambiental por “descumprimento de acordo”, já que o órgão público alega estar em dia com todas as obrigações acordadas, seguido da abertura de processo para a contratação emergencial de outra empresa, até a realização de uma nova licitação na área.

“Não estamos satisfeitos com o serviço prestado. Quando realizamos o certame de contratação, a empresa apresentou um valor muito baixo e venceu o processo. No dia da assinatura do contrato, questionei seus representantes se conseguiriam realizar o serviço e eles se comprometeram, disseram que sim e que o valor estava dentro do planejado. Eu não tenho culpa se a empresa está tendo prejuízo, já que tudo que está em contrato, a prefeitura está cumprindo e eles têm obrigação de cumprir também. O prejuízo deles não é motivo para o abandono do serviço e o reajuste que eles tanto pedem está tramitando dentro da lei, não da forma que querem”, declarou o prefeito.

Entramos em contato também com a Eko Ambiental e repassamos os questionamentos da população de Barra do Piraí sobre o atraso na coleta de lixo e os danos em caminhões da empresa, além da versão da prefeitura sobre esse problema.

Sobre os caminhões, a Eko declarou que possui rastreadores nos veículos para apontarem quais estão com problemas e se estão cumprindo as rotas, além de veículos extras de suporte para possíveis quebras. A empresa culpa também as “estradas desassistidas” até o centro de transferência de resíduos, que segundo ela, fica muito longe, a mais de 60 km da sede do município, o que eles tentam mudar através do diálogo com a secretaria municipal de Meio Ambiente e de ofícios enviados para a prefeitura.

“O prefeito precisa ser orientado sobre o erro de exigir que a concessionaria coletora de resíduos atenda aos grandes geradores em detrimento da população. Os grandes geradores - resíduo extraordinário - além de não constar no nosso edital, também fere a politica nacional dos resíduos sólidos, diante do princípio do poluidor pagador. Quando nosso caminhão coletor atende a um grande gerador, deixa de ter horário e espaço para cumprir rota. Tentamos explicar isso de todas as formas ao secretário de Limpeza Pública, além dos demais erros do projeto básico do edital, sem qualquer sucesso”, declarou a assessoria da empresa.

Além dessa resposta, a Eko Ambiental admitiu que o poder público está em dia com suas obrigações contratuais com a empresa, informou alguns dados que justificariam os atuais problemas no serviço e disse que quer dialogar com a prefeitura com o objetivo de reajustar os repasses, segundo a Eko, fora da realidade para o atual momento, trazendo prejuízos que a própria empresa arca. “Enviamos inúmeros ofícios sobre o reajuste, não atendidos pela prefeitura”, esclarece.

Por fim, a prestadora de serviços afirma que procura seguir a risca a legislação da área, que está à disposição para esclarecimentos e que muitos atrasos, na verdade, são “falhas pontuais ou confusão em relação aos dias e horários das rotas dos caminhões” e que “analisa dados e números para verificação de atrasos nos serviços”.

“Faço questão de deixar claro que as secretarias de Meio Ambiente e Administração estão incansáveis em tentar solucionar o problema, porém, o Serviço Público de Barra do Piraí não está nos assistindo. A Eko Ambiental tem licença ambiental e trabalha dentro da legalidade, estamos a disposição para entrar num consenso para resolver esse problema”, finalizou a assessoria da empresa.

Enquanto a situação não se normaliza, a Rádio Barra do Piraí segue ouvindo os relatos da população e fazendo apelos diários para a resolução desse problema o mais rápido possível, para benefício da população, já ambas as partes não estão satisfeitas com os resultados e reconhecem as falhas no serviço.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!