Sexta, 27 Novembro 2020
previous arrow
next arrow
Slider

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral foi condenado a 19 anos e 9 meses de prisão e o empresário do ramo de ônibus Jacob Barata Filho, a 28 anos e 8 meses de reclusão. A sentença, do juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal, foi publicada nesta quinta-feira (26). As condenações são referentes à Operação Ponto Final, um desdobramento da Operação Lava Jato que investigou o pagamento de propina a políticos, por empresários do setor de transporte público, para obter vantagens no valor das tarifas e outras benesses. A informação é da Agência Brasil.

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), entre julho de 2010 e outubro de 2016, foram feitos 203 aportes mensais de dinheiro, a título de propina, para Cabral e outros operadores políticos ligados a ele, no valor total de R$ 144,7 milhões. Este recurso viria de diversas empresas de ônibus e também da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor).

Jacob Barata Filho, conhecido no estado como “o rei do ônibus”, por ser dono ou sócio de várias empresas, foi condenado por corrupção ativa e participação em organização criminosa. Bretas ressaltou, em sua sentença, sua elevada culpabilidade, “uma vez que o acusado é grande empresário do ramo de transportes há décadas, ocupando os mais altos cargos de direção e sindicato das empresas de ônibus, tendo pleno discernimento quanto à ilicitude das condutas que praticava”.

Cabral foi condenado por corrupção passiva em 203 ocasiões e Bretas não levou em consideração acordo de delação premiada que o ex-governador está fazendo, por considerar que este não surte efeitos em ações penais já em curso.

Segundo Bretas, a culpa do ex-governador é elevada, pois ele foi “o principal idealizador dos esquemas ilícitos perscrutados nestes autos e assim agiu valendo-se da autoridade conquistada pelo apoio de vários milhões de votos que lhe foram confiados. Mercantilizou a função pública obtida por meio da confiança que lhe foi depositada pelos cidadãos do Estado do Rio de Janeiro, razão pela qual a sua conduta deve ser valorada com maior rigor do que a de um corrupto qualquer”.

O advogado Márcio Delambert, que defende Cabral, se manifestou por nota: “A defesa não concorda que o Sr. Sérgio Cabral, na qualidade de colaborador da Polícia Federal, seja condenado à pena máxima”. A assessoria de Barata informou que não vai se manifestar por enquanto.

Policiais federais cumprem hoje quatro mandados de busca e apreensão contra o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes na região metropolitana do Rio de Janeiro. Três mandados da Operação Lágrimas do Amarante estão sendo cumpridos em São Gonçalo e um em Niterói. A informação é da Agência Brasil.

De acordo com a Polícia Federal (PF), a ação de hoje tem por objetivo investigar crimes de compartilhamento, posse e possível produção de pornografia infantil.

A investigação teve como origem informações da Interpol (polícia internacional) e da Unidade Central da Polícia Federal de Combate a Crimes Cibernéticos. Foi constatado pelos investigadores o upload (colocação de arquivo na internet) de um vídeo com pornografia infantil em um site de conteúdo adulto com sede na República Tcheca.

Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Federal de Niterói e pela 2ª e 3ª varas federais de São Gonçalo.

Policiais civis prenderam duas pessoas suspeitas de crimes eleitorais em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Os suspeitos estavam de posse de material de campanha de um dos candidatos a prefeito do município, de dezenas de cestas básicas e de material para cadastramento de eleitores. A informação é da Agência Brasil.

Os dois são também suspeitos de integrar uma milícia que controla a venda de gás, distribuição de água e venda de cestas básicas na comunidade da Malvina, no bairro de Vilar dos Teles, no mesmo município..

Um dos presos é agente de saúde da prefeitura de São João de Meriti. A ação, realizada ontem (26), foi coordenada pela força-tarefa da Polícia Civil para combate à milícia.

Ação aconteceu na Via Dutra, em Piraí, e 40 kg da droga foram apreendidos (Foto: PRF)

Na noite desta segunda-feira (23), a Polícia Rodoviária Federal apreendeu em flagrante 40 kg de cocaína durante uma fiscalização de rotina na Via Dutra, no trecho da Serra das Araras que passa por Piraí. A ação contou com o apoio de agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (CORE).

Segundo os agentes, um veículo foi abordado no sentido São Paulo e o motorista, de 37 anos, demonstrou nervosismo durante a ação, o que chamou a atenção dos policiais. O carro foi revistado com o auxílio de cães farejadores e foram encontrados 40 tabletes de cocaína pura, cada uma com um quilo da droga. O material estava escondido na caixa de som do veículo e seria entregue no bairro Irajá, na Região Metropolitana do Rio.

O condutor confessou que receberia uma quantia em dinheiro para transportar os entorpecentes de São Paulo até um shopping da capital carioca. De acordo com a PRF, a apreensão representa um prejuízo de aproximadamente R$ 1 milhão ao tráfico de drogas da capital fluminense. O suspeito foi preso, não teve sua identidade revelada pela polícia e vai responder por tráfico interestadual de drogas.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!