Domingo, 12 Julho 2020
previous arrow
next arrow
Slider

Pássaros da espécie Trinca Ferro estavam em gaiolas minúsculas, cheias de fezes, sem comida e água. Suspeitos irão responder em liberdade (Foto: Divulgação PRF)

Oito pássaros silvestres foram resgatados na noite de terça-feira (08) no Posto da Polícia Rodoviária Federal, na BR-393 (Rodovia Lúcio Meira), em Barra do Piraí. De acordo com os agentes da PRF, Ao revistarem um veículo, onde estavam três homens, de 37, 41 e 50 anos, foram encontradas as gaiolas com os pássaros da espécie Trinca Ferro. As informações são do portal G1.

Ainda segundo a PRF, as aves estavam sem anilhas dos órgãos ambientais e tinham sinais de maus tratos, já que estavam em gaiolas minúsculas, cheias de fezes e sem água e alimento. Os suspeitos disseram que caçaram os pássaros na localidade de Barra do Turvo e que era um hábito frequente, pois "colecionavam" esse tipo de ave.

A Secretaria Municipal do Ambiente de Paraíba do Sul, cidade vizinha, foi acionada e levou as aves para cuidados e reintegração. Os três homens assinaram o Termo Circunstanciado e irão responder em liberdade por transporte ilegal de animais silvestres. O carro em que eles estavam foi autuado e removido para o pátio da PRF por estar com licenciamento vencido.

A lei de segurança nacional de Hong Kong não é "uma tragédia", disse a líder do Executivo do país, Carrie Lam, nessa terça-feira (7). Ela tenta reverter a desconfiança sobre a nova legislação, aprovada pela China, que críticos dizem ser capaz de acabar com as liberdades responsáveis pelo sucesso da cidade como polo financeiro. A informação é da Agência Brasil.

Ilustrando os temores em relação à lei, o aplicativo de vídeo TikTok disse que se prepara para sair do mercado de Hong Kong. Outras empresas de tecnologia disseram que suspenderam o processamento de pedidos de dados de usuários feitos pelo governo local.

A legislação abrangente imposta à ex-colônia britânica pune o que a China define como secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras, com pena até de prisão perpétua.

As medidas entraram em vigor ao mesmo tempo em que foi divulgada ao público, pouco antes da meia-noite da terça-feira passada (30). A polícia prendeu mais de 300 pessoas em protestos realizados no dia seguinte -- cerca de 10 delas, incluindo um adolescente de 15 anos, por supostas violações da lei. A informação é da Agência Brasil.

"Certamente isso não é uma tragédia para Hong Kong", disse Carrie Lam, a líder pró-Pequim, em entrevista coletiva semanal. "Tenho certeza de que, com o passar do tempo, aumentará a confiança no modelo 'um país, dois sistemas' e no futuro de Hong Kong".

A legislação é criticada por ativistas democráticos e por governos ocidentais por minar as liberdades garantidas pela fórmula "um país, dois sistemas", acertada quando Hong Kong voltou ao controle chinês em 1997.

Autoridades de Pequim e de Hong Kong disseram que a legislação, que dá a agências de segurança da China continental o direito de aplicar as regras na cidade pela primeira vez, é vital para preencher brechas na defesa da segurança nacional, expostas pela incapacidade do território de aprovar tais leis por si mesma, como exigido pela Lei Básica, sua miniconstituição.

Lam afirmou que casos envolvendo agentes chineses serão "raros", mas que a segurança nacional é uma "linha vermelha" que não deve ser ultrapassada.

A lei não é dura quando comparada com as de outros países, argumentou Lam. "É uma lei bastante branda. Sua abrangência não é tão ampla como as de outros países, mesmo a China".

Críticos dizem que o objetivo da lei é sufocar o movimento pró-democracia que desencadeou meses de protestos, às vezes violentos, no ano passado.

Na noite de segunda-feira (6), Hong Kong divulgou detalhes de como a lei será implantada e mostrou os poderes da polícia pela internet, que incluem o de pedir que editores removam informações consideradas ameaça à segurança nacional.

Empresas de internet e seus funcionários ficam sujeitos a multas e até a um ano de prisão se não obedecerem, e a polícia pode confiscar seus equipamentos. Também se espera que as companhias forneçam registros de identificação e assistência para decodificação.

Pouco tempo depois de a lei entrar em vigor, ativistas democráticos como Joshua Wong desmontaram suas organizações, e outros foram embora

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (7), em Aracaju, Sergipe, a Operação Serôdio. É para apurar irregularidades na contratação de empresa para montagem da estrutura do Hospital de Campanha da cidade. A ação, que tem o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU), investiga direcionamento e sobrepreço na contratação de empresa, por mais de R$ 3,2 milhões. A informação é da Agência Brasil.

Ao todo, nove mandados de busca e apreensão em Aracaju e em Nossa Senhora do Socorro estão sendo cumpridos. O trabalho conta com a participação de dois auditores da CGU e de 50 policiais federais.

Investigação

Segundo a CGU, as investigações preliminares apontam que a contratação, efetuada por meio de dispensa de licitação, possuía cláusulas restritivas à competitividade e não permitia o parcelamento do objeto, o que elevou o seu custo.

Os auditores identificaram falhas na execução contratual, possível favorecimento para a empresa contratada e indícios de sobrepreço na locação de containers, já que a própria Secretaria Municipal de Saúde realizou locação similar por preço inferior em contratação anterior.

Também há indícios de sobrepreço na locação da estrutura de climatização – o custo da locação de cada aparelho de ar condicionado por seis meses chega a quase três vezes o gasto com sua aquisição. Este ano, até junho, Aracaju recebeu do Fundo Nacional de Saúde cerca de R$ 24 milhões para custear ações de combate à covid-19.

Em sua residência, foram encontrados 67 tiras de maconha e 130 pinos de cocaína, que somados dão mais de 280 gramas de material ilícito (Foto: 10º BPM)

Um suspeito de tráfico foi preso na última quinta-feira (02) com 130 pinos de cocaína e 67 tiras de maconha escondidos em sua residência, localizada no bairro Roseira em Barra do Piraí. O suspeito, de 27 anos, foi preso em flagrante e encaminhado para a 88ª Delegacia de Polícia Civil de Barra do Piraí.

De acordo com o boletim de ocorrência, a prisão ocorreu às 14h em sua residência, na Rua F do bairro citado. Antes disso, ele havia sido abordado em outra rua do bairro, mas conseguiu despistar os policiais. Após buscas, foi encontrado em sua residência, com uma bolsa plástica contendo 67 tiras de maconha (127,70 gramas); 130 pinos de cocaína (154,60 gramas); um aparelho celular e R$ 80,00 em espécie.

As drogas foram encaminhadas para perícia e o suspeito segue preso na delegacia de Barra do Piraí.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!