Domingo, 12 Julho 2020
previous arrow
next arrow
Slider

O Ministério Público do Rio de Janeiro cumpre hoje dois mandados de prisão preventiva contra acusados de fraudes na compra de respiradores pulmonares no estado. Além disso, estão sendo cumpridos nove mandados de busca e apreensão nas cidades do Rio e de Brasília, em mais uma etapa da operação Mercadores do Caos. A informação é da Agência Brasil.

De acordo com o MPRJ, foram gastos R$ 18 milhões na compara desses equipamentos, usados no tratamento de pacientes com covid-19 em estado grave. Segundo as investigações, os respiradores foram comprados de forma emergencial, sem licitação.

Além disso, passados dois meses da data prevista para a chegada dos equipamentos, nenhum respirador foi entregue pelas empresas e nem o dinheiro foi devolvido aos cofres públicos, segundo o Ministério Público.

Bruno Arruda, de 24 anos, morreu ainda no local da troca de tiros, no bairro Morro do Gama. Outro jovem, de 21 anos, também se feriu (Foto: Reprodução)

Na noite desta quarta-feira (10), um tiroteio foi registrado no bairro Morro do Gama, em Barra do Piraí. Bruno Arruda, de 24 anos, foi atingido com um dos disparos e morreu ainda no local do incidente.

De acordo com o boletim de ocorrência, os agentes do 10º BPM foram recebidos a tiros por suspeitos de tráficos, ao chegarem à localidade. Além de Bruno, outro jovem, de 21 anos, foi atingido no quadril e encaminhado para Santa Casa de Barra do Piraí, onde segue internado sob custódia. Outro homem, de 42 anos, foi atingido por estilhaços e prestou depoimento como testemunha.

Além do tiroteio, foi registrada no boletim a apreensão de 224 sacolés e 14 cápsulas de cocaína, 14 sacolés de maconha, duas pistolas com numeração raspada, dois carregadores, 23 munições, um rádio comunicador e R$ 1.499 em espécie.

O caso foi registrado na 88ª Delegacia de Polícia Civil de Barra do Piraí.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública passará a disponibilizar informações estatísticas sobre os dados reunidos no Banco Nacional de Perfis Genéticos. Para isso, uma nova área foi criada no portal do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp) e disponibilizada para acesso público. A informação é da Agência Brasil.

A iniciativa visa a dar mais transparência ao conjunto de informações genéticas de pessoas condenadas por crimes hediondos, dolosos (quando há intenção de matar) ou violentos que secretarias de Segurança Pública dos estados e do Distrito Federal incluírem na Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos. A rede foi constituída em 2013, com o propósito de auxiliar na apuração de crimes, instrução processual e identificação de pessoas desaparecidas.

Segundo o ministério, os dados serão atualizados mensalmente. A ferramenta não fornece informações que permitam a identificação de pessoas cadastradas criminalmente. Além do total de perfis genéticos já cadastrados em todo o país e das situações que motivaram o cadastro, é possível verificar os resultados de cada unidade da Federação.

Até maio, o banco já reunia 82.138 amostras de DNA. São informações não apenas de condenados, mas também colhidas em locais de crimes, restos mortais não identificados e que podem auxiliar no reconhecimento de pessoas desaparecidas.

São Paulo é o estado que aparece em primeiro lugar na lista de perfis cadastrados, com 14.818. Pernambuco vem em segundo (13.516), seguido do Rio Grande do Sul (5.658), de Goiás (5.531) e do Paraná (5.431). De acordo com o ministério, 45% desse total de perfis foram cadastrados neste ano.

Material genético obtido a partir de vestígios encontrados em locais de crime ou coletado de indivíduos condenados pelos crimes já citados, que autorizam o cadastramento, pode ajudar na elucidação, conforme destaca o ministério ao lembrar dois casos em que a confrontação de informações genéticas levaram à identificação e prisão de criminosos.

O primeiro caso, de acordo com a pasta, ocorreu em maio de 2014, quando um homem detido pela Polícia Federal (PF) por ter cometido um crime em Pernambuco era suspeito de ter praticado outro crime em São Paulo. O segundo ocorreu no fim do ano passado. Após ser preso pela PF devido à suspeita de ter participado do assassinato de um agente federal de execução penal, em 2016, em Cascavel (PR), um homem teve seu DNA comparado a vestígios recolhidos na base de uma empresa de transporte de valores de Ciudad del Este que, em 2017, foi alvo de um assalto violento.

Além disso, o material genético foi comparado ao encontrado em uma agência do Banco do Brasil de Campo Grande, cujo caixa-eletrônico foi explodido por bandidos também em 2017. Segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública, o trabalho só foi possível porque os vestígios biológicos coletados por peritos no Paraguai e em Campo Grande tinham sido inseridos no Banco Nacional de Perfis Genéticos, permitindo provar a participação do então suspeito nos três crimes.

Atualmente, todas as 27 unidades da Federação já contam com laboratório de genética forense em suas instituições de perícia oficial. Além disso, 20 laboratórios alimentam rotineiramente o banco, mantido pela Polícia Federal e gerenciado de acordo com as diretrizes estabelecidas por um comitê gestor de especialistas e representantes de diferentes instituições.

Uma operação realizada hoje (10), no Rio de Janeiro, busca prender o bombeiro Maxwell Simões Correa, acusado de atrapalhar as investigações sobre a execução da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, em março de 2018. A informação é da Agência Brasil.

A Operação Submersus 2 é do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ), e conta com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ), da Corregedoria do Corpo de Bombeiros e em parceria com a Delegacia de Homicídios da Capital.

A operação cumpre mandados de busca e apreensão expedidos pelo Juízo da 19ª Vara Criminal da Comarca da Capital em dez endereços ligados a Correa e os outros quatro investigados já denunciadas ao Judiciário.

Armas de fogo As investigações apontam que, no dia 13 de março de 2019, um dia após a prisão dos ex-policiais Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, denunciados como autores dos crimes, Correa e os quatro presos durante a operação Submersus ajudaram a ocultar armas de fogo de uso restrito e acessórios pertencentes a Lessa.

Já foram denunciados pelo crime Elaine Pereira Figueiredo Lessa, esposa de Ronnie, Bruno Pereira Figueiredo, cunhado de Ronnie, José Marcio Mantovano e Josinaldo Lucas Freitas. Segundo o MPRJ, as armas de Lessa estavam armazenadas em um apartamento no bairro do Pechincha, na zona lesta da cidade, e em locais ainda desconhecidos.

O MPRJ afirma que Maxwell cedeu, entre os dias 13 e 14 de março de 2019, o veículo utilizado para guardar o arsenal bélico de Lessa, que depois foi descartado em alto mar.

“A obstrução de Justiça praticada pelo denunciado, junto aos outros quatro denunciados, prejudicou de maneira considerável as investigações em curso e a ação penal deflagrada na ocasião da operação Submersus, na medida em que frustrou cumprimento de ordem judicial, impedindo a apreensão do vasto arsenal bélico ali ocultado e inviabilizando o avanço das investigações”, informa em nota o MPRJ.

A arma de fogo utilizada no assassinado de Marielle e Anderson ainda não foi localizada. Correa ostentava vínculo de amizade com Ronnie Lessa e Élcio de Queiros e também com os denunciados Josinaldo Lucas Freitas e José Márcio Mantovano.

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!