Segunda, 21 Janeiro 2019
previous arrow
next arrow
Slider

Engarrafamentos que se estendem por quilômetros, acidentes, buzinas, muitas rotatórias e passarelas.  A descrição retrata, em linhas gerais, o cotidiano de grandes metrópoles. O trânsito caótico nas cidades mais populosas é pauta recorrente na mídia, assunto nas rodas de amigos e não é novidade para ninguém. E nos pequenos municípios? Como é o trânsito?Segundo relatório divulgado mensalmente pelo Portal Segurança no Trânsito, administrado pelo Governo do Estado de São Paulo, o número de óbitos causados por acidentes de trânsito nas pequenas cidades no Estado é alto em comparação (relação de números de habitantes) às cidades mais populosas.

  Cunha, município com menos de 22 mil habitantes, por exemplo, registrou quatro mortes em agosto de 2017, mesmo número de óbitos de Mogi Mirim, que tem quatro vezes mais habitantes, 89 mil. Cunha registra uma morte para cada 5.422 habitantes ao passo que Mogi Mirim e a capital São Paulo – uma das maiores metrópoles do mundo – registram uma morte para cada 22.347 habitantes e para cada 205.194 habitantes, respectivamente.

  Há quase dez anos, dados do Ministério da Saúde já apontavam que a violência no trânsito brasileiro estava se deslocando das maiores cidades para as menores. Conforme o órgão, em 1990 a taxa de mortes no trânsito nos municípios com até 20 mil habitantes correspondia à metade da registrada naqueles com população com mais de 500 mil pessoas - a incidência era de 13 e 26 por 100 mil moradores, respectivamente. Em 2006 o cenário se modificou. Nas grandes cidades, a taxa era de 15,8 mortes por 100 mil habitantes, enquanto, nas pequenas, 19,7.

Exemplo a ser seguido

  Callao é uma cidade portuária no Peru. Localizado na região metropolitana de Lima, a cerca de 15 km da capital do País, o município tem aproximadamente 813 mil habitantes e é considerado referência quando o assunto é segurança no trânsito. Apesar de pequena, em comparação à Lima (com população de quase 10 milhões de pessoas), apostou na tecnologia em favor do trânsito seguro.

  Há uma década Callao estabeleceu um amplo programa - o Programa Preventivo de Seguridad Vial del Callao - em parceria com a prefeitura e a polícia. A iniciativa envolve ações de engenharia - com a implantação de diversas tecnologias de gestão e fiscalização de trânsito - e de educação. Em poucos meses, os resultados já eram visíveis e os acidentes reduziram 74%. 

  Mais de mil instituições de ensino foram assistidas e cerca de 240 mil adultos e crianças já participaram das atividades promovidas, como oficinas e peças teatrais com foco em educação no trânsito.

Barra do Piraí – Vinicius Pereira Motta, 47, foi preso em flagrante na noite de segunda-feira, 19, após uma denúncia anônima dando conta de uma “boca de fumo” na Rua Franklin de Morais no Centro.

De acordo com as informações, uma denúncia feita ao Serviço Reservado, P2 10ª BPM, dava conta que Vinicius estaria fazendo o recolhimento de dinheiro e abastecendo as bocas de fumos da facção criminosa Terceiro Comando Puro, TCP, na cidade.  De imediato os agentes da P2 juntamente com a guarnição do Patamo da 1º Companhia de Polícia Militar, composta pelo sargento Pardal, cabos Sander e pontes, e com auxilio do policial militar que estava de folga, soldado Chagas, montaram uma operação monitorando o suspeito por mais de 11 horas.

Por volta das 20 horas, os PMs obtiveram êxito em abordar o suspeito e com o mesmo foi encontrado uma quantia de  R$ 3.990 em espécie. Em ato continuo os militares foram até a casa do cavaleiro, onde a entrada foi franqueadas pelo mesmo, e para a surpresa dos policiais, foram apreendido 4990 pinos de cocaína, 1823 papelotes também de cocaína, um revólver calibre 32 e 16 munições do mesmo calibre intacta. Foi dada voz de prisão para o mesmo e encaminhado até 88ª Delegacia de Polícia Civil de Barra do Piraí, 88ª DP, onde o caso foi registrado e após prestar depoimento Vinicius ficou preso e responderá por suspeita de tráfico de drogas.

O Instituto Médico Legal (IML) de Resende, RJ, confirmou na manhã desta segunda-feira (2), que Anitta Myllena de Oliveira Reis, de 3 anos e meio, foi espancada até a morte. Ela foi agredida nas pernas, braços e cabeça. No sábado (31), a criança tinha sido levada já sem vida ao Hospital Municipal São Francisco de Assis. A menina estava só os cuidados de um casal amigo dos pais dela, que estão presos desde 2017.

O homem que cuidava dela era procurado da Justiça por tráfico de drogas e porte ilegal de arma. Ele foi preso no hospital, e com o laudo da necrópsia, também deve responder por homicídio.

Anitta e a irmã, de 10 anos, são do bairro Vila Elmira, em Barra Mansa, e morava com o casal em Porto Real.

O caso está sendo investigado pela 100ª Delegacia de Polícia (Porto Real). Em depoimento, o suspeito de espancar a criança, contou no sábado que tinha dado alguns tapas na menina, inclusive na cabeça, como corretivo.

Barra do Piraí – Rodrigo da Fonseca Bastos, mais conhecido como Padeirinho, 26, foi preso em flagrante na tarde do domingo de Páscoa, 1º de abril, na rua Antônio Gomes Medeiros no bairro da Muqueca, em Barra do Piraí. Ele foi encontrado por policiais do Serviço Reservado do 10ª Batalhão (P2) portando uma arma de uso restrito e seria suspeito de movimentar o tráfico de drogas naquela localidade, tendo sido encontrado também um pé de maconha na ação.  O caso foi registrado e segue sendo investigado na delegacia de Barra do Piraí.

Mais informações na edição 735 do Jornal O BARRENSE, que vai às bancas no dia 06 de abril

Rua Ana Nery, 120 - 9º andar
Centro, Barra do Piraí - RJ
CEP 27123-150
Tel.: (24) 2443-1470 (AM)
(24) 2443-1098 (FM)

Boletim Eletrônico

Cadastre-se e fique sabendo da nossa programação em primeira mão!